Notícias

21/02/2019 17:41

Sindipema participa de ato unificado contra a reforma da previdência

Ontem (20/02), o (des)governo Bolsonaro anunciou a proposta da reforma da previdência. Um verdadeiro massacre à classe trabalhadora. Repudiando a ação do presidente, as centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais realizaram protesto em todo país, inclusive em Aracaju.

O texto enviado por Bolsonaro propõe o fim da aposentadoria por tempo de contribuição. Na regra comum, para se aposentar, homens devem ter 65 anos e mulheres 62 anos. O tempo mínimo de contribuição sobe de 15 para 20 anos para ambos os sexos. Idade mínima é a mesma para funcionário público e privado.

 Atualmente, na regra especial, o tempo de contribuição em função do magistério é de 25 anos para mulheres e 30 anos para homens. A idade mínima para professores do setor público se aposentarem é de 50 anos para mulheres e 55 para homens. Com a reforma da previdência, a idade mínima para se aposentar passa a ser de 60 anos para todos os professores e 30 anos de contribuição, independentemente do sexo.

O presidente do Sindicato dos Profissionais do Ensino do Município de Aracaju – SINDIPEMA, Professor Adelmo Meneses, condenou a reforma da previdência e afirmou que “este governo iniciou mostrando sua corrupção e para que veio. Bolsonaro é inimigo da classe trabalhadora. Está empenhado em acabar com os professores e professoras, afirmando que influenciamos negativamente nossos alunos. Mas nós resistiremos e lutaremos para barrar o retrocesso que ele quer instaurar no país”.

Outro ponto é que o aposentado só recebe 100% do benefício se pagar ao INSS por 40 anos. Em relação ao PIS, só será pago só para quem recebe até 1 salário mínimo.

O Sindipema diz não reforma da previdência e segue avançando com a base reforçando que não abrirão mão de nenhum direito.