Notícias

12/09/2017 20:27

Greve dos professores da rede pública municipal de Aracaju continua

Em assembleia realizada na tarde desta terça-feira, 12 de setembro, os professores da rede pública municipal de ensino decidiram manter a greve iniciada no dia 1º de setembro. A decisão teve como base a falta de negociação do pagamento do piso, por parte da prefeitura de Aracaju, que não acatou a contraproposta da categoria, que seria de a PMA pagar a revisão do Piso Nacional do Magistério, no percentual de 7,64%, a partir deste mês de setembro, e negociar o retroativo do período de janeiro a agosto. O que a gestão municipal propõe é não reajustar o piso este ano e retomar esta discussão apenas no segundo semestre de 2018.

 

Estudo feito pelo DIEESE/SE, a pedido da direção do SINDIPEMA, comprova que os cofres municipais estão com fôlego para que seja feito o reajuste dos professores, ativos e aposentados. No ato realizado pelos professores na manhã desta segunda-feira, 11, em frente ao Centro Administrativo da PMA, representantes da secretaria municipal de Governo comunicaram aos dirigentes do SINDIPEMA que no mesmo dia estariam informando a data de uma reunião com o prefeito Edvaldo Nogueira, agendamento que até o momento não aconteceu. O ato da última segunda foi um dos informes passados durante a assembleia.

 

Na assembleia desta tarde também foi aprovado o seguinte calendário de mobilização:

 

13 de setembro: visita às unidades de ensino para intensificar o trabalho de conscientização da comunidade escolar sobre os motivos da greve;

 

14 de setembro: plenária para a comunidade nas escolas Juscelino Kubitschek, no bairro Coroa do Meio, às 9h; e Olga Benário, no Bairro Santos Dumont, às 14h;

 

15 de setembro: plenária para a comunidade nas escolas Alcebíades Melo, no Bairro Industrial, às 9h; e na Santa Rita de Cássia, às 14h;

 

19 de setembro: ida da direção do SINDIPEMA à Câmara de Vereadores para exposição da situação da categoria do magistério municipal durante sessão plenária. Esta data ainda será confirmada pela presidência do Legislativo de Aracaju;

 

20 de setembro: ato em frente ao Tribunal de Contas do Estado de Sergipe, quando será protocolado ofício solicitando da Corte de Contas providência para o cumprimento da Lei do Piso Nacional do Magistério;

 

21 de setembro: assembleia geral às 9h30, na sede do sindicato.

 

ATO EM FRENTE À CÂMARA

Na manhã desta terça-feira os professores e a direção do SINDIPEMA estiveram na Câmara de Vereadores entregando nova carta aberta aos parlamentares. A carta explicava os motivos da greve e solicitava, mais uma vez, o apoio dos legisladores para que a Lei do Piso seja efetivada, a exemplo do que fora feito no mês de abril deste ano, na mesma casa parlamentar. O presidente do SINDIPEMA, o professor Adelmo Meneses Santos, ocupou a tribuna da CMA e falou sobre os motivos que obrigaram os professores a iniciar uma greve por tempo indeterminado, e solicitou coerência dos vereadores, uma vez que leis, como eles fazem, existem para ser cumpridas, o que não está acontecendo com a do governo Federal que instituiu a revisão anual do piso do Magistério.

 

“;Estamos em greve porque fomos forçados. Paralisamos as atividades em sala de aula no mês de agosto como um alerta, mas infelizmente não tivemos êxito na negociação. Hoje, em greve, temos ao nosso lado a comunidade escolar, os pais e os alunos, porque sabem que nossa luta não é só pelo piso, mas por dignas condições de trabalho, pois eles acompanham nossa luta e sabem que dia após dia, mesmo com todos os problemas que enfrentamos no ambiente escolar, estamos na escola promovendo a educação das nossas crianças e jovens”;, declarou Adelmo Meneses.