Notícias

25/03/2019 10:18

Sindipema protesta contra a reforma da previdência de Bolsonaro

Na última sexta-feira (22), o SINDIPEMA, juntamente com as centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais, foi às ruas num ato de resistência contra a reforma da previdência proposta pelo governo Bolsonaro e as privatizações. O ato aconteceu em todo o país.

Em caminhada, dialogamos com a população sobre os riscos que corre de não se aposentarem e, caso já seja, ter sua aposentadoria alterada. A PEC da reforma de Bolsonaro dificulta o acesso e reduz o valor dos benefícios ao estabelecer a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para os homens, 62 para as mulheres e aumenta o tempo de contribuição de 15 para 20 anos, além de retirar da Constituição o sistema de Seguridade Social brasileiro.

Atualmente, na regra especial, o tempo de contribuição em função do magistério é de 25 anos para as mulheres e 30 anos para os homens. A idade mínima para professores do setor público se aposentarem é de 50 anos para as mulheres e 55 para os homens. Com a reforma da previdência, a idade mínima para a aposentadoria passa a ser de 60 anos para todos os professores e 30 anos de contribuição, independentemente do sexo.

Durante o ato, o SINDIPEMA se posicionou contra as privatizações de nossas empresas, como a DESO. A água é um direito inegociável da população, não só sergipana, mas mundial.

A manifestação contra a reforma foi um anuncio da greve geral, que os trabalhadores de todo país farão contra o desmonte da previdência. O SINDIPEMA repudia os ataques do governo federal e segue lutando lado a lado com a base em prol de uma educação pública de qualidade, a valorização dos profissionais da educação e em defensa da aposentadoria.

NÃO ABRIREMOS MÃO DE NENHUM DIREITO. JUNTOS, RESISTIREMOS!